domingo, 3 de janeiro de 2016

Os 11 adorados!

Se 2014 eu assisti poucos filmes, em 2015 não foi diferente. Consegui ver menos do que gostaria. Porém, ainda acho que vi uma quantidade suficiente em vista da maioria dos filmes lançados e os que realmente me interessavam.
Como sempre digo, essa é a minha lista, de acordo com meu gosto.
Esse ano não irei fazer a lista dos piores, dando o meu parecer. E olha que vi muita coisa que foi ruim. Apenas vou listar o que achei ruim ou mediano.
Então vamos lá!

MELHORES DE 2015

OS OITO ODIADOS
Não é o melhor filme do Tarantino, mas é um dos melhores do ano com certeza. Os diálogos continuam sendo o forte do cineasta, porém aqui ele vai além e consegue manter a atenção praticamente numa locação única, onde qualquer outro sem muito traquejo com atores poderia deslizar feio.  E pra variar ele consegue "desenterrar" sempre alguém dando um gás na carreira. Dessa vez foi Jennifer Jason Leigh que brilhou, ao lado de Kurt Russel e claro Samuel L. Jackson.

EX-MACHINA
Te deixa totalmente desnorteado. Chega um momento que desconfia-se totalmente que existem humanos no filme. Uma das preciosidades do ano.

MAD MAX - Fury Road
Nunca desconfiei que Geroge Miller tinha perdido o mojo. Até mesmo nos seus filmes "infantis" é possível ver que a chama ainda estava acesa. Um bom cineasta se mostra em qualquer situação. 

KINGSMAN
Filme de 2014 que só vi em 2015. Divertido e inesperado.

WE ARE STILL HERE
2015 não foi um ano muito bom para os filmes de horror, com muitos filmes abaixo da média que nem valem entrar na lista de piores, porém sempre um se sobresaí. E é o caso de We are still here. Sem nenhuma complexidade, entrega um clima tenso e assustador. Aproveita para resgatar a antiga "scream queen" Barbara Crampton com maestria.

KUMIKO, THE TRASURE HUNTER
Outro filme de 2014 que só consegui depois. Kumiko é uma fábula moderna, triste e esperançosa ao mesmo tempo. Não deixa aquele nó na garganta no final, apesar de tudo.

STAR WARS - O Despertar da Força
Justamente pelo que muitos estão falando mal, inclusive o ex-dono da bagaça, é o porque de eu ter gostado e muito desse filme. Resgatou tudo o que havia sido perdido com a trilogia "nova". Aquele ranço 3D fake, personagens mal desenvolvidos, tramas bobinhas foram deixadas de lado em nome do romantismo dos antigos filmes. E pela quantidade de adultos e crianças no cinema assim como a bilheteria, não resta dúvidas que era isso que todos esperavam. Eu inclusive.

VINGADORES - A Era de Ultron
Fecha-se um ciclo no MCU com esse filme. E de forma grandiosa. Joss Whedon aguentou o tranco e entregou um filme enxuto e honesto com o que a Marvel vem fazendo no cinema. O que virá a partir daí só depende deles mesmos.

HOMEM-FORMIGA
O que esperar de um filme que nada se espera? É exatamente esse tipo de filme que sempre acaba impressionando. Foi assim com Homem-Formiga. Assim como Guardiões da Galáxia ano passado, veio sem intenção nenhuma, apenas para somar e acabou surpreendendo.

FINAL GIRLS
Outro filme que eu não esperava nada. Não é um grande filme, mas entrega exatamente aquilo que vende, e isso hoje em dia é raro. Trailers e mais trailers vendem algo que não chega aos pés das expectativas até dos menos exigentes. Final Girls é bobo, simples, mas divertido e brinca com a sua simplicidade.

HOWL
Não podia deixar de fora um filme de lobisomen, certo?! Ainda mais quando eles são tão espertos a ponto de armar uma emboscada perfeita. 


E QUEM QUASE CHEGOU LÁ?
E pra variar, tiveram aqueles que tinham tudo para estar na lista de melhores, mas por um pouquinho não entraram. Alguns mereciam, mas de certa forma me incomodaram um pouco, seja na trama geral ou no terceiro ato banal ou até na falta de capricho em algumas partes. Vamos aos "runner-ups":
The Revenant - Baixou o Terrence Malick no Iñarritu. É basicamente um filme de vingança, com um esforço glorificável de Leonardo Di Caprio. Esforço que podemos fazer uma analogia a sua busca pela estatueta da Acadêmia. Vale sim, mas vale mais ainda a atuação certeira de Tom Hardy.
Scicario - Desperdício de talento de Emily Blunt num personagem mal desenvolvido. Final capenga.
007 Contra Spectre - Uma aventura digna de Roger Moore, mas bem orquestrada. Só.
Jurassic World - Resgata assim como o Despertar da Força, o clima original. Por pouco não chegou lá.
Deathgasm - O filme começa enfiando o pé na sua cabeça e no terceiro ato, perde totalmente o gás, entregando um clímax fraquinho pelo que se aguardava.


MAIORES DECEPÇÕES DE 2015
Chappie
Exterminador do Futuro - Genysis
Knock Knock
Maggie
Pan
e a maior decepção de todas: Crimson Peak





segunda-feira, 6 de maio de 2013

Testando os limites da oxidação


Não sou como uma grande maioria de amigos meus que odeia ler ou comentar algo sobre os filmes antes de assistí-los. Muito pelo contrário, eu não resisto e acabo me informando muito, até mesmo antes das filmagens. Todo processo me atrai muito, portanto não me incomodo de ler opiniões alheias, porque no final o que vale é o que eu acho ou acharei do filme e essas opiniões há muito tempo que não me influenciam mais, até porque o nível de crítica para filmes ditos “fantasia” ficou nivelado lá embaixo. Antigamente os críticos eram chamados grosseiramente de “frustrados”. A maioria dos atuais “críticos” são fanboys, nerds ou o que seja, expressando suas opiniões, seus gostos pessoais, como se fosse a verdade universal. Levando isso em conta, vamos ao que interessa. Homem de Ferro 3. Sim, agora vou dar minha opinião pessoal, baseada nos meus gostos. ;-) O filme traz o que prometeu, ou melhor o que os outros dois filmes anteriores mostraram. A maioria das críticas que li, reclamavam de furos no roteiro, demasiadas cenas com Tony Stark e não com o “Ferroso”, que o Mandarim está ridículo… ora, mas os outros filmes não tem furos no roteiro? Aliás, quais filmes de super-heróis que não possuem furos no roteiro? A Marvel acertou como disse certa vez em mandar ver no cinema, assim como manda nos comics, sem apego emocional com a realidade e isso vem sendo executado a risca. Isso não quer dizer que nesse terceiro filme, nós deveríamos ser privados de mais tempo de Tony Stark em cena que o seu alter-ego metálico. Sinceramente, acho que uma dose cavalar de pirotencia heróica só iria oxidar as Marks e o público fatalmente se enjoaria. O grande trunfo da Marvel hoje é o Homem de Ferro e ela não se pode dar o luxo de fazer uma super exposição, levando o personagem a saturação. Ainda temos mais um filme dos Vingadores para isso. Esse será o filme para os olhos explodirem nos cinemas. Os filmes solos dos Vingadores, a partir do primeiro filme da equipe, se concentrará obviamente nos conflitos internos de cada um, deixando o couro pra comer de verdade quando eles estiverem juntos novamente. Achei totalmente coerente a trama, meu único porém, é o personagem do Mandarim, que poderia ter uma ligação com os terroristas do primeiro filme e não ser uma cria do proprio ego de Tony Stark. Mas, como na vida, os super-heróis são obrigados a enfrentar seus demônios, principalmente aqueles que fogem do controle.O ritmo misto de ação, com as boas tiradas humorísticas prende o expectador até o fim, E não se preocupem, nós ficamos “mal acostumados” com os Vingadores, mas aqui é um filme de Tony Stark, o Homem de Ferro! Supresas? Sim. Pepper! Até tu? O final é inesperado? Sim, mas senti que ali tem. Extremis não veio só pra dar um alô e cair fora. Até o groove final, nos créditos com levada de filme de aventura dos anos 60 caiu como uma luva.  E a cena pós-crédito nada mais é do que o fechamento da abertura pré-filme! Tony Stark vai voltar, e antes que dê chabu, com armaduras novas em folha e inoxidáveis!

sexta-feira, 2 de março de 2012

Piranha 3DD - Double the D´s!!!



Tudo em dobro: Sangue, tripas, bikinis e piranhas e mais piranhas! Com direito a Michael Hasselhoff no melhor estilo "Baywatch" num parque aquático. Diversão desacerbada a vista!


domingo, 26 de fevereiro de 2012

Copic Markers no Brasil


Durante muitos anos, fui avesso à marcadores a base de solvente. Lá no início dos tempos, quando comecei a trabalhar profissionalmente como ilustrador com carteira registrada e tudo mais, elas estavam lá. As “malditas canetinhas” a base de solvente, que manchavam os layouts, vazavam e secavam em apenas um mês. Claro que não eram canetas de qualidade, eram as únicas disponíveis na época. Haviam as importadas, mas muito caras. As poucas que apareciam, desapareciam na mesma velocidade que tinham surgido.

Com o passar do tempo, tentei trabalhar com outras marcas, mas não me sentia à vontade e então desisti de vez e quando tinha que usar marcador, só a base de água. E foi assim até agora. Há alguns anos comecei a notar um número frequente de pessoas usando as famosas Copic e achei que não passava de moda. Mas observando os trabalhos realizados por artistas japoneses, que percebi que não se tratava de mais um marcador, mas de algo especial. Mesmo assim continuei relutante e não aderi, até que acabei não resistindo e testando as “benditas canetinhas”. E o que achei? Sensacionais! Sinceramente não esperava muito, e me surpreendi a ponto de me arrepender de não ter começado a usá-las a mais tempo.

Só senti falta das Copic blender, pois essa caneta, que na verdade não tem cor, é uma espécie de “misturador”, parece ser bastante útil, principalmente em graduações de tons, sombras, etc.

Sendo assim, resolvi fazer alguns testes em alguns tipos de papéis que costumo usar, e obtive resultados acima da média para alguns papéis e outros por possuírem características desfavoráveis à esse tipo de media, não tiveram resultado ótimo, mas de certa forma aceitável.

Os papéis foram os seguintes:

  • Canson Marquer - Papel de gramatura fina, poroso, mas segura bem a tinta e vaza pouco. Fica visível no verso justamente por ser fino. Por absorver rapidamente a tinta, requer agilidade no uso, mas garante cores bem fiéis.
  • Acervo Layout - Esse papel uso muito para rascunho e layout. É bem comum, usado por muitos artistas. Porosidade acima da média para canetas a base de solvente, mas com as Copics, não traspassou para o verso. Também requer agilidade.
  • Schoeller Durex - Papel caro, usava muito para fazer arte-final em nanquim. Por possuir superfície lisa e pouco porosa, própria para raspagem e retoques, a tinta não se dá muito bem, tornando bem clara a tonalidade das Copics. Não recomendo o uso desse papel, a não ser em casos bem específicos.
  • Canson Montval - Aqui resolvi fazer um teste maluco e aplicar as Copics em um papel específico para aquarela, e não é que o resultado me agradou? A alta porosidade do papel não foi problema, não espalhou a tinta e tampouco vazou.
  • Winsor & Newton Bristol - Deixei por último, pois trata-se do meu papel preferido. Uso ele praticamente para tudo: Nanquim, aquarela, gouache, acrílica e agora Copic! Apesar da superfície lisa e do trabalho rápido, as cores surgem perfeitas e os meios tons são obtidos com extrema facilidade. De longe o melhor para meus trabalhos.

Bem, como podem observar, foram apenas alguns tipos de papéis mais comuns que testei, para poder tirar proveito ainda maior das Copics. Ainda quero fazer mais testes com papeis para marcadores de outras marcas e os próprios papéis Copic para postar aqui o resultado!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

The Tree of Life

Lembro de quando assisti O Novo Mundo. Fiquei sem ter comentários nenhum sobre o filme por vários dias... na verdade ainda não tenho certeza do que senti assistindo ele. Terence Malick é um bruxo, ou algo parecido. Eu ficava pensando... mas é só a história de Pocahontas, como que o cara pode transformar algo tão simples em uma obra inexplicavelmente incrível? E olha que Colin Farell, que eu odeio está no filme e digo mais, de forma brilhante! Assim só me lembro de ter ficado, após assistir Restoration, mas durou apenas alguns minutos.
E eis que agora, Malick prepara seu novo filme, The Tree of Life. Só o trailer já emociona, então fico aqui imaginando quais sentimentos me ocorrerão quando estiver sentado assistindo o full-lenght.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Os vampiros estão mais tristes...


... desde o último dia 23. A eterna musa da geração de vampiras da Hammer nos deixou. Descanse em paz Ingrid Pitt. Sua memória e beleza permanecerá para sempre enquanto alguém assistir aos seus filmes.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Your Highness

Maluquice com cavaleiros medievais, erva, Natalie Portman, uma hidra, James Franco, mais erva e feiticeiros malígnos. Tudo isso comandado por David Gordon Green (Segurando as pontas). Já tá na lista pra ver ano que vem!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Dino de Laurentis - 1919 - 2010


Morre Dino de Laurentis. Com produções criticadas por alguns, amadas por outros tantos, o legado deixado por ele é inegávelmente importante para o cinema mundial.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Agora vai!


Ao contrário de muita gente, eu gosto muito da direção de Zack Snyder. Seus filmes são seguros, e a direção de arte é magnifica. Ele não faz filmes pra você ficar pensando sobre os segredos do universo, do eu ou da droga que seja. Ele faz filmes para divertir. E filmes baseados em quadrinhos de super heróis devem transmitir exatamente o que os quadrinhos transmitem. Por isso acho acertada a sua escolha para dirigir o novo filme do Supa. O filme anterior, dirigido por Brian Singer é competente e legal, mas faltou o impacto que o próprio personagem exigiria num filme.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Fechando a Sexta Feira 13

Sexta Feira 13 - só bobagens assustadoras!


Carne de Zumbi
Que tal saborear uma suculenta carne de zumbi? Gostinho de anos debaixo da terra e cor características. Por 399 yenes, você prova esse snack divertido, que nada mais é do que um "jerked beef" com corante azul. Oishii desu né!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Supernatural - O anime

Muito trabalho e pouco tempo pra blogar. Pra não dizer que passei e não disse alô, lá vai um trailer da animação do seriado Supernatural, produzido pela Madhouse (estúdio que está produzindo Highschool of The Dead e as adaptações de Homem de Ferro e Wolverine). Irmãos Winchester versão nipônica pra galera que está com saudades dos caça-monstros mais legas da tv.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Avenged Sevenfold - Nightmare

Eu estava pronto pra postar o novo clipe do Withchery que tá "infernal" se me permitem o trocadilho, mas aí ví o novo do Avenged Sevenfold... e foi como um gancho de direita! Fantástico é pouco. A colaboração de Portnoy também é digna de nota!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

O fim do Moleskine

Confesso que achei uma porcaria o Molesko sketchbook. Papel grosso, mas ruim pra marcador. vaza pro outro lado, aquarela custa a pegar, mas com lápis fica uma beleza.
Não sei se comprarei outro. Vou procurar outro que eu possa usar qualquer coisa, sem preocupar com o desenho que ficou atrás. Bem segue aí os últimos suspiros do maledeto.




domingo, 23 de maio de 2010

Jorn - Dio


Dia 2 de julho sai na Europa, via Frontiers Records o novo disco de Jorn Lande, um disco tributo ao mestre Dio. Além de covers dos clássico da banda de Ronnie e do Rainbow, Jorn compôs uma bela canção em homenagem a Ronnie James Dio.

domingo, 16 de maio de 2010

Ronnie James Dio - R.I.P.


Depois de perdermos um guerreiro dos pincéis, agora me levam o guerreiro mór do metal!!! Fique em paz mestre Dio!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

TUPIXEL


(Texto original do site)
Tupixel é uma ferramenta de auxílio para quem busca por desenhistas brasileiros ou que atuam no país. Um "pixel" de partida para quem busca desenhos feitos em terras tupiniquins

Em seu banco de dados - hoje com aproximadamente 1600 nomes - você irá encontrar grandes mestres, profissionais e iniciantes desta arte tão presente em nosso dia-a-dia através de jornais, revistas, livros, internet, embalagens, moda, peças publicitárias, histórias em quadrinhos, tv, cinema e mídias alternativas.

Tupixel não é uma lista definitiva, o site é uma "pesquisa-viva", em constante atualização. Por isso você pode colaborar para o site indicando novos nomes, novos links ou apontando eventuais duplicidades pelo e-mail: tupixel@faoza.com
Se você for um desenhista profissional ou iniciante e ainda não estiver listado, envie um e-mail com nome, endereço do seu portfólio e um desenho no formato JPG.
http://www.tupixel.com.br/

Frank Frazetta - R.I.P. 1928-2010


Fiquei mais triste.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Orianthi

Tenho que confessar: Eu gosto da Orianthi! Ela conseguiu unir a atual geração de teen popstars com os mestres do shred. Não tem como não gostar de uma garota dessas. Sem falar que com a morte do Jacko, quem mais saiu ganhando foi ela. Apesar de não sair em tour com o Rei do Pop, acabou ganhando notoriedade e emplacou um disco logo na sequência. Com moral pra gravar até com o gênio Steve Vai!



20th Century Boys


Confesso que não li toda a história em mangá, só alguns scans ali e outro aqui. Afinal foram 8 anos que os japoneses seguiram a saga de Kenji, seus amigos e "Amigo",hehehehe. Quem espera pra ser publicado aqui no Brasil, espera sentado. O autor, Naoki Urasawa já revelou que só permite a publicação da saga, assim que seu outro mangá, Monster (da Conrad) terminar. Ou seja, pra quem acompanha mangá pela Conrad, já sabe...
Bom, o post não é sobre o mangá, e sim sobre a adaptação cinematográfica de 20th Century Boys. Não vou aqui comentar nada sobre a história, apenas quero deixar registrado que após assistir a trilogia nesse final de semana, segue mais forte a sensação que qualquer mangá, deve ser adaptado para os cinemas pelos próprios japoneses. Eles podem não ter o aparato técnico de Hollywood, mas a essência dos mangás é mantida. Nada como tolices do tipo Dragonball Evolution ou Speed Racer. Graças a Deus que Yamato tá sendo produzido em live-action por eles. Acho que tão aprendendo.Quanto a 20th Century Boys, só posso recomendar a qualquer um, se tiver a possibilidade de assistir. Cheio de referências a cultura pop japonesa, principalmente os tokusatsus, (tem referência do Ultraman a rodo), influências americanas que vão do Rock até Stephen King (não tem como não fazer um paralelo entre Kenji e seus amigos com os garotos de Stand By Me ou até mesmo de A Coisa). Com certas diferenças do mangá, que não alteram o teor da história, (inclusive com um final diferente) a trilogia entra no hall das melhores adaptações de hq dos últimos anos. Emocionante. Ah depois dos créditos da última parte, tem também o adendo "21th Century Boys, assim como no mangá!

quinta-feira, 1 de abril de 2010